Fado Lacobriga

 

O Fado não é Árabe nem Africano, o Fado é Celta do avô Lusitano

Fado Lacobriga

I

Dizer que o fado é de lisboa
É crime cultural e bem profano
O Fado já foi cantado em Lacobriga
Quando Sertório venceu o Romano

II

Sertório Luso-Romano
Chefe inesquecível do passado
Mereces ser imortalizado
Nos fados do moderno bardo

III

E quem disser que o Sul é Árabe
Nos poemas deste fado eu vou cantar
Que os grandes heróis da Lusitânia
Antes de Cristo já por lá andavam a lutar

IV

Quinto Cecílio Metelo Pio Governador da Espanha Ulterior Sediou um dia Lacobriga
Às ordens de Sula o ditador

V

De pronto à cidade livre o Sertório acorreu
E assediado ficou o Quinto quando o viu À frente dos guerreiros Lusitanos Mettelo meteu água e perdeu o Pio

VI

A seguir a tão decisiva vitória
Os Lusitanos cantaram o fado de alegria
A cidade de Lacobriga estava salva
De ser espoliada pelas legiões da tirania

VII

Mas quando em Osana na casa de Perpena O Sertório foi por romanos assassinados Os Lusitanos ficaram cheios de pena
E os bardos tristemente cantaram o fado.

Ivo Rato